quinta-feira, 18 de maio de 2017

Vampiros, Os

Título: Vampiros, Os

Título Original: Les Vampires

Direção: Louis Feuillade

Elenco: Musidora, Édouard Mathé, Jean Ayme

Sinopse: Um repórter e seu leal amigo lutam contra uma sociedade bizarra de criminosos conhecida como Os Vampiros. Esse grupo é comandado por "Mestres Vampiros" e por Irma Vep (Musidora), coração e alma de todos eles. Muitas reviravoltas acontecem: personagens "mortos" voltam à vida, pilares da sociedade tradicional provam ser vampiros e também vampiros se revelam agentes policiais.

Ano: 1915 / País: França / Duração: 399 minutos / Gênero: Policial 


Musidora em "Os Vampiros" (Les Vampires) (1915) (crédito: http://www.imdb.com)

Com a rival Pathé prestes a lançar na França um novo filme em episódios com Pearl White, a estrela de Os Perigos de Pauline, no papel principal, Leon Gaumont pediu a Louis Feuillade que inventasse uma nova série de façanhas criminosas sensacionais. O resultado: Os Vampiros, uma película em 10 partes sobre um bando de ladrões. Apesar do título, não se tratava de um filme de terror. Desprezado por aqueles que buscavam um cinema artisticamente mais elevado e pelas autoridades que desconfiavam de sua amoralidade, Os Vampiros é agora visto como a obra-prima de Feuillade: um exemplo perfeitamente moderno dos primórdios do cinema. 

A força do filme reside na maneira como ele situa eventos fantásticos em locações reais. Histórias envolvendo tiros de canhão, champanhe envenenando e mais de uma gangue de criminosos aterrorizando os lares dos cidadãos respeitáveis foram filmadas nas próprias ruas, casas e telhados de Paris. 

Enquanto os filmes americanos desenvolviam estilos de edição e movimentos de câmeras mais complexos, Os Vampiros possui uma montagem minimalista e encena a ação diante de uma câmera geralmente parada. (1)

(1) KEMP, Philip. Tudo sobre Cinema. Trad. de Fabiano de Morais... et al. Rio de Janeiro: Sextante, 2011. 

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Psicosissimo

Título: Psicosissimo

Título Original: Psycosissimo 

Direção: Steno

Elenco: Ugo Tognazzi, Raimondo Vianello, Edy Vessel, Monique Just, Spiros Focás, Francesco Mulé

Sinopse: Ugo (Ugo Tognazzi), Raimondo (Raimondo Vianello) e Marcella (Monique Just) são três atores fracassados que se especializaram em peças sobre crimes, que nunca são vistos. Enquanto ensaiam uma nova proposta que apresentarão a um produtor, são observados pela janela por Arturo (Francesco Mulé), que acusa Ugo e Raimondo de assassinos por um crime brutal. Começa então uma louca aventura de dois homens perseguidos pela polícia e tentando, ao mesmo tempo, comprovar a inocência.

Ano: 1962 / País: Itália / Duração: 92 minutos / Gênero: Comédia Policial


Ugo Tognazzi, Raimondo Vianello e Monique Just em "Psicosissimo" (Psycosissimo) (1962) (Crédito da imagem: https://www.filmaffinity.com)

terça-feira, 16 de maio de 2017

Alma no Lodo

Título: Alma no Lodo

Título Original: Little Caesar

Direção: Mervyn LeRoy

Elenco: Edward G. Robinson, Douglas Fairbanks Jr., Glenda Farrell, William Collier Jr., Sidney Blackmer

Sinopse: Um assassino profissional e seu motorista cúmplice Joe Massara (Douglas Fairbanks Jr.) chegam em uma cidade grande e são contratados por um mafioso. Porém, após um roubo e um assassinato, as coisas tomam rumos imprevisíveis.

Ano: 1931 / País: EUA / Duração: 79 minutos / Gênero: Crime, Drama, Film-Noir


Edward G. Robinson e George E. Stone em "Alma no Lodo" (Little Caesar) (1931) (Crédito da foto: http://www.imdb.com)

O filme de gângster precisou do som para emplacar. Os espectadores que haviam crescido com o cinema mudo ficavam perplexos não só por ouvirem os filmes "falarem", mas também por conta dos efeitos sonoros. Alma no Lodo, a primeira película sonora do gênero, tem o ritmo do linguajar agressivo das ruas, do "rá-tá-tá" das submetralhadoras que atiram das janelas de carros em movimento e do cantar de pneus em fuga. Baseado no romance (1929) de W. R. Burnett, Alma no Lodo era mais violento do que os filmes de gângster anteriores. O produtor Darryl F. Zanuck fez o seguinte comentário: "Todos os outros filmes sobre o submundo tinham um criminoso com um pouco de bondade no coração. Ele se regenerava antes do fim. Mas este sujeito não tem nada de bom." (1)

(1) KEMP, Philip. Tudo sobre Cinema. Trad. de Fabiano de Morais... et al. Rio de Janeiro: Sextante, 2011. 

Astor, Mary

Mary Astor
Atriz americana (1906-1987)

Apesar de sua longa carreira, que se estendeu de 1922 a 1985, Astor dizia detestar Hollywood. Antes de ter seu talento reconhecido, amargou produções menores até que John Barrymore a escolheu para representar Lady Margery em O Belo Brummel (1924). Foi o que a salvou. Durante os 20 anos seguintes em como Fogo de Outono (1936) e Relíquia Macabra (1941), exibiu um pendor para comédias em Mulher de Verdade (1942) e ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante por A Grande Mentira (1941). Astor se aposentou por causa do alcoolismo. (1)

(1) 1000 Que Fizeram 100 Anos de Cinema. Istoé 

Gish, Lilian

Lillian Gish
Atriz americana (1893-1993)

Dona de uma das carreiras mais longas da história do cinema, Lillian Gish testemunhou o nascimento da indústria e ainda roubava cenas aos noventa anos. Ingênua, sua beleza frágil espelhava com perfeição os exageros de seu mentor D. W. Griffith. Estreando aos 5 anos de idade juntamente com sua irmã mais nova Dorothy, "Baby Lillian" tornou-se amiga de Gladys Smith, outra atriz infantil. Smith, que viria a se tornar Mary Pickford, apresentou as irmãs a Griffith que as escalou para An Unseen Enemy (1912). Três anos mais tarde, ela interpretou Elsie Stoneman em Nascimento de uma Nação (1915), marco histórico de Griffith, e virou uma estrela. Antes de brigar com Griffith por causa de dinheiro, ela estrelou suas obras primas Intolerância (1916), Hearts of the World (1918), Lírio Partido (1919), Way Down East (1920) e Órfãs da Tempestade (1921). Sua participação nos clássicos mudos A Carta Escarlate (1926) e The Wind (1928) foi inesquecível, e ela brilhou em O Mensageiro do Diabo (1955) e As Baleias de Agosto (1987), que contracenou com Bette Davis. No final de sua vida fazia palestras frequentes sobre sua carreira. (1)

(1) 1000 Que Fizeram 100 Anos de Cinema. Istoé 

Como São Feitos os Filmes

Num filme, muitos são os minutos reservados aos créditos finais. Isso tem a sua importância, porque houve muitas cabeças criativas, envolvendo técnicas publicitárias e de vendas. A equipe de O Poderoso Chefão (1972), por exemplo, percorreu diversos continentes.  

As fases básicas da produção de um filme, independentemente de seu orçamento, são: pré-produção, produção e pós-produção.

Pré-Produção

A primeira etapa da pré-produção costuma ser uma conversa entre produtores, roteiristas e executivos em um estúdio, ocasião em que se discutem o conceito e os possíveis atores do filme. Os roteiros dos flimes costumam ser reescritos várias vezes antes e durante as filmagens. Nos EUA, os produtores têm a possibilidade de recorrer ao Breakdown Services, empresa especializada em indicar os clientes adequados para cada papel. 

Produção

Produção é a gravação do filme, que ocorre após a pré-produção e inclui atuação, direção de fotografia, figurinos, iluminação e cenário. Inclui o ator em ação, os dublês, os sons e as novas tecnologias. Exemplo: Jackie Chan é famoso por dispensar dublês; o diretor David Lean costuma discutir a visão geral das cenas com os seus diretores de fotografia. 

Pós-Produção

Parte crucial da criação dos filmes começa após a filmagem. Milhares de fotogramas precisam ser agrupadas para contar uma história, com as cenas redimensionadas ou reordenadas para que o produto final reflita a visão do diretor. (1)

(1) BERGAN, Ronald. Guia Ilustrado Zahar Cinema. Tradução de Caroline Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Grande Roubo do Trem, O

Título: Grande Roubo do Trem, O

Título Original: The Great Train Robbery

Direção: Edwin S. Porter

Elenco: Gilbert M. Anderson, Frank Hanaway, Marie Murray

Sinopse: Um grupo de cowboys fora da lei envia uma mensagem falsa que faz com que um trem pare. Assim, eles podem entrar no trem e assaltar os passageiros. Eles roubam o cofre do vagão dos correios e, depois de uma certa confusão, conseguem escapar. Só que o telegrafista do trem consegue enviar uma mensagem pedindo ajuda, o que leva à perseguição dos assaltantes.

Ano: 1903 / País: EUA / Duração: 11 minutos / Gênero: Faroeste


O faroeste de Edwin S. Porter marcou o início do cinema moderno, com tomadas em locação, movimentos de câmera e montagem paralela, compondo um estilo que seria aperfeiçoado por Charles Chaplin (1889-1977), Mack Sennett (1880-1960) e D. W. Griffith ao longo das duas décadas seguintes. 

Baseado no bem-sucedido espetáculo da Broadway de Scott Marble, de 1896, e inspirado no assalto real de um trem da Union Pacific pelo bando conhecido como "Hole in the Wall" (Buraco na Parede) em 29 de agosto de 1900. O Grande Roubo do Trem apresenta todos os recursos de linguagem que definiram o gênero faroeste no decorrer dos seus 11 minutos e 14 sequências de um plano só. A versão do filme para um assalto ferroviário possui um ritmo e um suspense impecáveis para um público não habituado a ver espetáculos tão cativantes na tela. 

À Margem da Vida

Título: À Margem da Vida

Título Original: Caged

Direção: John Cromwell

Elenco: Eleanor Parker, Agnes Moorehead, Ellen Corby, Hope Emerson, Betty Garde, Jan Sterling, Lee Patrick, Olive Deering, Jane Darwell, Gertrude Michael, Georgia Harrison

Sinopse: Uma ingênua viúva de 19 anos se torna uma mulher mais grosseira e cínica quando é mandada para uma prisão de mulheres (por ser cúmplice em um roubo a mão armada) e passa a conviver com criminosas brutas e guardas sádicos.

Ano: 1950 / País: EUA / Duração: 96 minutos / Gênero: Crime, Drama, Film-Noir


Marie Allen (Eleanor Parker) no filme "À Margem da Vida" (Caged) (1950)

No film-noir, as mulheres também vão para a prisão. A Ingênua Marie Allen (Eleanor Parker) é presa por ter sido cúmplice num roubo à mão armada, mas a prisão torna-a uma prisioneira intransigente. 

Um Amor em Cada Vida

Título: Um Amor em Cada Vida

Título Original: Love Letters 

Direção: William Dieterle

Elenco: Jennifer Jones, Joseph Cotten,  Anita Louise, Cecil Kellaway

Sinopse: Durante a Segunda Guerra Mundial, Alan Quinton, soldado que luta na Itália, concorda em escrever cartas de amor para a jovem Victoria Remington, em nome do colega de armas Roger Morland, que não possui talento literário. Quando retorna para casa, Alan descobre que Roger e Victoria haviam se casado, mas que ele estava morto, apunhalado pelas costas. O assassino pode ter sido tanto Victoria, que agora sofre de amnésia e atende pelo nome de Singleton, quanto sua madrasta Beatrice, que se encontra internada em um asilo, com paralisia decorrente de um derrame cerebral. Enquanto Victoria/Singleton tenta recuperar suas lembranças, Alan, a esta altura apaixonado por ela, tenta descobrir o que realmente aconteceu.

Ano: 1945 / País: EUA / Duração: 101 minutos / Gênero: Drama, Romance


Alan Quinton (Joseph Cotten) e Singleton (Jennifer Jones) em "Um Amor em Cada Vida" (Love Letters) (1945)

Quando Singleton (Jennifer Jones) descobre que o seu namorado Roger Morland (Robert Sally) não é o homem sensível que suas cartas deram a entender, ela enlouquece e mata-o. Um ano depois, uma amigo de Roger e aquele que de fato escreveu as cartas, Allan Quinton, visita-a num hospital da prisão, onde ela sofre de amnésia. Ele apaixona-se por ela e vive no medo de ela descobrir a verdade acerca dele. 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Soberba

Título: Soberba

Título Original: The Magnificent Ambersons

Direção: Orson Welles

Elenco: Joseph Cotten, Dolores Costello, Anne Baxter, Tim Holt, Agnes Moorehead, Ray Collins, Erskine Sanford, Richard Bennett, Orson Welles

Sinopse: Uma família em decadência não consegue se adapatar aos novos tempos trazidos pela chegada do século 20 

Ano: 1942 / País: EUA / Duração: 88 minutos / Gênero: Drama, Film Noir


Esquerda: Richard Bennett e Orson Welles; direita acima:  Eugene Morgan (Joseph Cotten) e Isabel Amberson Minafer (Dolores Costello); direita abaixo:  Lucy Morgan (Anne Baxter) e George Minafer (Tim Holt)  no filme "Soberba" (The Magnificent Ambersons) de 1942