sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Matrimônio à Italiana

Título: Matrimônio à Italiana

Título Original: Matrimonio all´italiana

Direção: Vittorio De Sica

Elenco: Sophia Loren, Marcello Mastroianni, Aldo Puglisi, Tecla Scarano, Marilù Tolo, Gianni Ridolfi, Generoso Cortini, Vito Moricone, Rita Piccione, Lino Mattera, Alfio Vita, Alberto Castaldi, Anna Santoro, Mara Marilli

Sinopse: Durante a Segunda Grande Guerra, Domenico, um bem sucedido homem de negócios e com uma grande queda pelas garotas, encontra a jovem e linda Filumena em um bordel. Após a guerra ele aluga um apartamento para ela e os dois se tornam amantes durante 22 anos.

Ano: 1964 / País: Itália, França / Duração: 102 minutos / Gênero: Comédia, Drama, Romance


Sophia Loren e Marcello Mastroianni em "Matrimônio à Italiana" (Matrimonio all´italiana) (1964)

Uma Sombra em Nossas Vidas

Título: Uma Sombra em Nossas Vidas

Título Original: Le couteau dans la plaie / Five Miles to Midnight

Direção: Anatole Litvak

Elenco: Sophia Loren, Anthony Perkins, Gig Young, Jean-Pierre Aumont, Yolande Turner, Tommy Norden, Mathilde Casadesus, Billy Kearns, Barbara Nicot, Louis Falavigna, Elina Labourdette, Pascale Roberts, Sophie Réal, Jean Ozenne

Sinopse: Lisa Macklin (Sophia Loren), uma mulher italiana, tem uma briga com Robert (Anthony Perkins), seu marido americano, numa boate de Paris. Ele parte no dia seguinte para uma viagem de negócios, e Lisa não quer mais vê-lo novamente. Ela está com jornalista Alan Stewart na noite em que fica sabendo que o avião de Robert caiu e não houve sobreviventes.

Ano: 1962 / País: França, Itália / Duração: 102 minutos / Gênero: Crime, Drama


Sophia Loren e Anthony Perkins em "Uma Sombra em Nossas Vidas" (Le couteau dans la plaie / Five Miles to Midnight) (1962)

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Arabesque

Título: Arabesque

Título Original: Arabesque

Direção: Stanley Donen

Elenco: Gregory Peck, Sophia Loren, Alan Badel, Kieron Moore, Carl Duering, John Merivale, Duncan Lamont, George Coulouris, Ernest Clark, Harold Kasket

Sinopse: Um professor especialista em hieróglifos se infiltra numa organização criminosa que trama contra o primeiro-ministro. A misteriosa figura da esposa do vilão surge para ajudar e atrapalhar o herói.

Ano: 1966 / País: EUA / Duração: 105 minutos / Gênero: Ação, Aventura, Crime


Gregory Peck e Sophia Loren em "Arabesque" (Arabesque) (1966)

Lenda dos Desaparecidos, A

Título: A Lenda dos Desaparecidos

Título Original: Legend of the Lost

Direção: Henry Hathaway

Elenco: John Wayne, Sophia Loren, Rossano Brazzi, Kurt Kasznar, Sonia Moser, Angela Portaluri, Ibrahim El Hadish

Sinopse: Um trio estranho procura tesouro no deserto do Saara: um aventureiro, um idealista e uma prostituta.

Ano: 1957 / País: EUA, Itália / Duração: 109 minutos / Gênero: Aventura


John Wayne, Sophia Loren e Rossano Brazzi em "A Lenda dos Desaparecidos" (Legend of the Lost)

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Caçada Humana

Título: Caçada Humana

Título Original: The Chase

Direção: Arthur Penn

Elenco: Marlon Brando, Jane Fonda, Robert Redford, E.G. Marshall, Angie Dickinson, Janice Rule, Miriam Hopkins, Martha Hyer, Richard Bradford, Robert Duvall, James Fox, Diana Hyland, Henry Hull, Jocelyn Brando, Katherine Walsh

Sinopse: A notícia de que o rebelde e imprevisível Bubber Reeves fugiu da prisão faz abalar a paz em uma cidadezinha do sul do Texas.

Ano: 1966 / País: EUA / Duração: 133 minutos / Gênero: Drama


Marlon Brando, Angie Dickinson, Robert Redford, Jane Fonda, Robert Duvall e James Fox em "Caçada Humana" (The Chase) (1966)

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Fahrenheit 451

Título: Fahrenheit 451

Título Original: Fahrenheit 451

Direção: François Truffaut

Elenco: Oskar Werner, Julie Christie, Cyril Cusack, Anton Diffring, Jeremy Spenser, Bee Duffell, Alex Scott

Sinopse: Adaptação do romance de ficção científica de Ray Bradbury, que situa a ação numa civilização futura onde os livros são banidos e levados à fogueira

Ano: 1966 / País: Inglaterra / Duração: 112 minutos / Gênero: Ficção, Drama


Oskar Werner e Julie Christie em "Fahrenheit 451" (1966)

Ray Douglas Bradbury (1920-2012) foi um escritor americano que atuou, primeiramente, como romancista e contista de obras de ficção e fantasia. Entre suas obras famosas, temos "Crônicas Marcianas" (1950) e "The Illustrated Man" (1951). Contudo, o romance que o consagrou mundialmente foi "Fahrenheit 451", em que bombeiros queimam livros, lançado em 1953 e filmado em 1966 por François Truffaut. O futuro não é muito distante e pode perfeitamente corresponder ao nosso presente. 

Eis como começa o seu romance: "Queimar era um prazer. Era um prazer especial ver as coisas serem devoradas, ver as coisas serem enegrecidas e alteradas. Empunhando o bocal de bronze, a grande víbora cuspindo seu querosene peçonhento sobre o mundo, o sangue latejava em sua cabeça e suas mãos eram as de um prodigioso maestro regendo todas as sinfonias de chamas e labaredas para derrubar os farrapos e as ruínas carbonizadas da história. Na cabeça impassível, o capacete simbólico com o número 451 e, nos olhos, a chama laranja antecipando o que viria a seguir, ele acionou o acendedor e a casa saltou numa fogueira faminta que manchou de vermelho, amarelo e negro o céu do crepúsculo. A passos largos ele avançou em meio a um enxame de vaga-lumes. Como na velha brincadeira, o que ele mais desejava era levar à fornalha um marshmallow na ponta de uma vareta, enquanto os livros morriam num estertor de pombos na varanda e no gramado da casa. Enquanto os livros se consumiam em redemoinhos de fagulhas e se dissolviam no vento escurecido pela fuligem".


Questão: Depois de queimados todos os livros físicos, queimariam também as pessoas que os tivessem alojados em suas memórias? 


Este romance é incluído na categoria "distopia", ou seja, uma "utopia negativa". Bradbury imagina uma sociedade em que os livros são proibidos, pois quem os mantiver estará cometendo um crime. Como as casas, em "Fahrenheit 451", são à prova de combustão, a tarefa dos bombeiros não é apagar incêndios, mas atear fogo, principalmente nos livros, para evitar que as fantasias contidas nesses compêndios perturbem o sono dos seus habitantes honestos, que são manipulados pela televisão. Além disso, as pessoas recebem doses maciças de narcotizantes.

Manuel da Costa Pinto, jornalista, em seu prefácio ao livro, enfatiza que A Muralha Verde, de Ievguêni Zamiátin, Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, ou A Revolução dos Bichos e 1984, de George Orwell, seriam assim os antecedentes imediatos de Fahrenheit 451. Em todos esses romances há sociedade policialesca, em que a individualidade é sacrificada pelo poder de Estado. "Enquanto Huxley e Orwell escreveram seus livros sob o impacto dos regimes totalitários (nazismo e stalinismo), Bradbury percebe o nascimento de uma forma mais sutil de totalitarismo: a indústria cultural, a sociedade de consumo e seu corolário ético — a moral do senso comum".

Guy Montag, bombeiro, é a figura central desse romance. Acostumado a incendiar livros, depara-se com dois fatos marcantes: 1) mulher que prefere ser queimada junto à sua biblioteca; 2) Clarisse McClellan, uma jovem adolescente, que lhe fala das coisas simples, como por exemplo, conversa entre amigos, que é coibida numa sociedade que administra o ócio por meio de atividades programadas na televisão. 

Montag, no fim do romance, refugia-se em uma comunidade de pessoas, que vivem à margem da sociedade. Cada uma delas é chamada de "pessoa-livro", pois, depois de memorizar um determinado autor, o livro é destruído, ficando apenas na memória daquele indivíduo. (Ver artigo)


Observação: fahrenheit 451 é a temperatura na qual o papel do livro pega fogo e queima. 





segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Lucy

Título: Lucy

Título Original: Lucy

Direção: Luc Besson

Elenco: Scarlett Johansson, Morgan Freeman, Min-sik Choi, Amr Waked, Analeigh Tipton

Sinopse: Quando a inocente jovem Lucy (Scarlett Johansson) aceita transportar drogas dentro do seu estômago, ela não conhece muito bem os riscos que corre. Por acaso, ela acaba absorvendo as drogas, e um efeito inesperado acontece: Lucy ganha poderes sobre-humanos, incluindo a telecinesia, a ausência de dor e a capacidade de adquirir conhecimento instantaneamente.

Ano: 2014 / País: França / Duração: 90 minutos / Gênero: Ficção Científica, Ação


Scarlett Johansson e Morgan Freeman em "Lucy" (Lucy) 2014

O filme é ambientado em um mundo dominado pela máfia, gangues de rua, viciados em drogas e policiais corruptos. Lucy (Scarlett Johansson) é uma mulher americana de 25 anos que vive e estuda em TaipéTaiwan. Lá, tempos depois, ela é obrigada a agir como "mula" de drogas de um homem com que se relacionava havia pouco mais de uma semana, e cujo empregador é um chefe da máfia coreana e senhor de drogas, chamado Jang. Lucy entrega uma maleta para o Sr. Jang com uma nova droga sintética chamada CPH4. Depois de ver seu "namorado" ser morto a tiros, ela é capturada, e um saco com a tal droga é cirurgicamente implantado em seu abdômen, e em mais outras três "mulas", que também vão transportar a droga para comercialização na Europa. Enquanto Lucy está em cativeiro, um de seus raptores tenta abusar dela, o que ela prontamente recusa. Enraivecido, o homem lhe dá um soco e depois chuta seu estômago quando ela cai no chão. Após três chutes, o saco com a droga acaba por se rasgar e libera parte de seu conteúdo no corpo de Lucy. Como resultado, ela gradativamente começa a adquirir capacidades físicas e mentais cada vez mais elevadas, como telepatiatelecinese, eletrocinese, absorção instantânea de conhecimento,[7] capacidade de viagem no tempo e inclusive a opção de sentir dor ou outros desconfortos físicos[4] ou emocionais, além de outras habilidades. Logo depois de adquirir os poderes ela mata seus raptores e foge.

O filme recebeu majoritariamente críticas positivas pelo desempenho de Scarlett Johansson, os efeitos especiais e as cenas de ação, mas foi muito criticado pelo "mito do uso de 10% do cérebro" e da tese de que a plena capacidade cerebral por um individuo, resultaria em poderes e habilidades sobre-humanas. (Wikipedia)

O que existe de tão fascinante em Lucy é o fato de conseguir combinar a mitologia dos filmes de ação com aquela das histórias em quadrinhos. A protagonista (Scarlett Johansson) é uma super-heroína, mas ao invés de ter poderes seletivos – como a invisibilidade ou a capacidade de voar, por exemplo – ela tem todos os poderes possíveis. Graças a um acidente envolvendo uma droga sintética, Lucy passa a desenvolver o seu cérebro, e logo pode controlar tudo e todos ao redor. (Ou seja, as drogas podem ter efeitos muito positivos, crianças, mas não tentem isso em casa). A perspectiva de um personagem capaz de tudo pode ser completamente absurda em termos de roteiro, mas poderosa em termos de imagem.

Lucy não vive em um mundo paralelo, do futuro, ela não é particularmente inteligente ou bem intencionada. A jovem é escolhida acidentalmente por um grupo de mafiosos, nos dias de hoje, e parte em busca de uma vingança por motivos puramente pessoais: a personagem não quer livrar o mundo do tráfico de drogas, ou dos homens malvados, apenas fazer um experimento extremo em si mesma, o que a leva a procurar e roubar a tal droga sintética de diversas pessoas. Lucy é uma dessas mulheres vingadoras e fortes, uma heroína sem caráter, como era a fascinante Viúva de Kill Bill, por exemplo. Ela é uma das únicas personagens femininas em toda a trama, superando todos os homens em inteligência e competência. (Crítica de Adoro Cinema)





sábado, 26 de outubro de 2019

Admirável Mundo Novo

Título: Admirável Mundo Novo

Título Original: Brave New World

Direção: Burt Brinckerhoff

Elenco: Bud Cort, Keir Dullea, Kristoffer Tabori, Casey Biggs, Dick Anthony Williams, Jeannetta Arnette, Jonelle Allen Julie Cobb, Marcia Strassman, Reb Brown, Ron O'Neal e Tara Buckman

Sinopse: Adaptação do livro escrito por Aldous Huxley e publicado em 1932 que narra um hipotético futuro onde as pessoas são pré-condicionadas biologicamente e condicionadas psicologicamente a viverem em harmonia com as leis e regras sociais, dentro de uma sociedade organizada por castas. A sociedade desse "futuro" criado por Huxley não possui a ética religiosa e valores morais que regem a sociedade atual. Qualquer dúvida e insegurança dos cidadãos era dissipada com o consumo da droga sem efeitos colaterais aparentes chamada "soma". As crianças têm educação sexual desde os mais tenros anos da vida. O conceito de família também não existe.

Ano: 1980 / País: EUA / Duração: 180 minutos / Gênero: Ficção Científica




Descrição resumida do livro:

Há um Estado totalitário que zela por todos. Os indivíduos, nascidos de proveta, têm comportamentos pré-condicionados e ocupam lugares pré-determinados na sociedade, em que os "alfas" estão no topo e os "ípsilons" na base. Família, monogamia, privacidade e pensamento crítico são considerados crime. Cada usuário é abastecido com a droga "soma". A promiscuidade é considerada moralmente boa. União duradoura é rechaçada. Bernard Max foge à regra e acalenta o desejo não natural por solidão, pois não vê graça nos prazeres da promiscuidade compulsória. Bernard quer se libertar. Para tanto, faz uma visita aos poucos remanescentes da Reserva Selvagem, onde a vida antiga, imperfeita, subsiste.







sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Dívida de Sangue

Título: Dívida de Sangue

Título Original: Cat Ballou

Direção: Elliot Silverstein

Elenco: Jane Fonda, Lee Marvin, Michael Callan, Dwayne Hickman, Nat ´King´ Cole, Stubby Kaye, Tom Nardini, John Marley, Reginald Denny, Jay C. Flippen, Arthur Hunnicutt, Bruce Cabot, Burt Mustin, Paul Gilbert

Sinopse: No Velho Oeste, poderoso empresário chantageia e mata àqueles que não aceitam vender suas propriedades para ele, por uma quantia irrisória. Uma professora (Jane) torna-se uma lendária pistoleira, exatamente por vingar a morte do pai assassinado a mando deste empresário.

Ano: 1965 / País: EUA / Duração: 97 minutos / Gênero: Comédia, Faroeste


Jane Fonda, Lee Marvin, Michael Callan, Dwayne Hickman, Nat ´King´ Cole, Stubby Kaye e Tom Nardini em "Dívida de Sangue" (Cat Ballou) (1965)

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Retrato de Dorian Gray, O

Título: O Retrato de Dorian Gray

Título Original: The Picture of Dorian Gray

Direção: Albert Lewin

Elenco: George Sanders, Hurd Hatfield, Donna Reed, Angela Lansbury, Peter Lawford, Lowell Gilmore, Richard Fraser, Douglas Walton, Morton Lowry, Reginald Owen, Miles Mander, Lydia Bilbrook, Mary Forbes, Robert Greig, Moyna MacGill

Sinopse: Dorian Gray é um rapaz belíssimo da alta sociedade. Ele posa para um amigo que é pintor: Basil Hallward. O retrato fica belíssimo e ao vê-lo Dorian exprime o desejo de que o quadro pudesse envelhecer e ele continuar eternamente com seu rosto jovem. Mal sabe ele que seu desejo é atendido e que sua vida sofrerá muitas mudanças.

Na Inglaterra vitoriana, o aristocrata Dorian Gray começa a ficar paulatinamente hedonista e corrupto. Quando o seu retrato é pintado, Gray faz um pacto faustiano: só o quadro envelhecerá, enquanto ele permanecerá jovem e bonito - um pacto mau feito, que eventualmente o conduz a assassinar. Este clássico drama, baseado no romance de Oscar Wilde, ganhou um Oscar para Melhor Fotografia, e Ângela Lansbury levou para casa um Globo de Ouro pelo seu desempenho.

Ano: 1945 / País: EUA / Duração: 110 minutos / Gênero: Drama, Horror, Fantasia


Donna Reed, George Sanders, Lisa Carpenter, Rex Evans, Hurd Hatfield, Peter Lawford, Audrey Manners, Angela Lansbury and Anita Sharp-Bolster em "O Retrato de Dorian Gray" (The Picture of Dorian Gray) (1945)


Descrição do livro

Dorian Gray é um belo e ingênuo rapaz retratado pelo artista Basil Hallward em uma pintura. Mais do que um mero modelo, Dorian Gray torna-se inspiração a Basil em diversas outras obras. Devido ao fato de todo seu íntimo estar exposto em sua obra prima, Basil não divulga a pintura e decide presentear Dorian Gray com o quadro. Com a convivência junto a Lorde Henry Wotton, um cínico e hedonista aristocrata muito amigo de Basil, Dorian Gray é seduzido ao mundo da beleza e dos prazeres imediatos e irresponsáveis, espírito que foi intensificado após, finalmente, conferir seu retrato pronto e apaixonar-se por si mesmo. A partir de então, o aprendiz Dorian Gray supera seu mestre e cada vez mais se entrega à superficialidade e ao egoísmo. O belo rapaz, ao contrário da natureza humana, misteriosamente preserva seus sinais físicos de juventude enquanto os demais envelhecem e sofrem com as marcas da idade.

Curiosidades, bastidores, novidades, e até segredos escondidos de "O Retrato de Dorian Gray" e da sua filmagem!

Este é o 3.º livro de Oscar Wilde a ganhar uma versão cinematográfica pelo diretor Oliver Parker. Os dois primeiros filmes foram O Marido Ideal (1999) e Armadilhas do Coração (2002).

As filmagens começaram no verão de 2008 e duraram nove semanas.

É a 16.ª versão para o cinema ou TV do livro de Oscar Wilde. As anteriores foram Dorian Gray Portrait (1910), The Picture of Dorian Gray (1913), Portret Doryana Greya (1915), The Picture of Dorian Gray (1916), Das Bildnis des Dorian Gray (1917), Az Élet Királya (1918), O Retrato de Dorian Gray (1945), Dorian Gray (1970), The Picture of Dorian Gray (1973), The Portrait of Dorian Gray (1974), A Nudez de Hollywood (1978), The Sins of Dorian Gray (1983), Dorian Gray - Pacto com o Diabo (2001), The Seven Deadly Sins: Gluttony (2001), The Picture of Dorian Gray (2004) e Dorian (2005);


- Exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio 2010. (http://www.adorocinema.com/filmes/filme-136408/curiosidades/)